quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O Primeiro


A Vida dá sempre umas voltas estranhas. O F. foi o meu primeiro Amor. Um miúdo bonito e super gingão. Aqueles amores de infância que nos marcam sempre de alguma forma. Andou comigo na creche e na Escola, e éramos "namorados". Com o passar dos anos acabamos por ter caminhos bem diferentes. Eu segui os estudos e o F. foi ficando perdido algures no tempo. Meteu-se no Mundo das drogas e do álcool. Deste Mundo, surgiu uma esquizofrenia. Vou vislumbrando o seu semblante ao longo dos anos, mas nunca o tinha encontrado corpo a corpo. Curiosamente, no fim de semana que joguei pela primeira vez no Euromilhões e ganhei um prémio, encontrei-o à porta do café onde fui levantar o mesmo. Um espectro de gente... Magro, dentes podres, cara marcada das mazelas. Já não o encontrava pessoalmente há muitos anos, talvez desde a Escola. Eu fiquei meio estática e ele veio ter comigo. Cumprimentou-me com dois beijos e os olhos transpareciam doçura e contentamento. Falámos um pouquinho e perguntei se estava bem e precisava de algo. Disse-me que estava bem e que não precisava de nada. Bem sei que precisa, bem sei que passa fome. Despedi-me com um beijinho e um mimo no ombro. Fui à mercearia e deixei lá algumas coisas compradas para ele. Nunca pensei que me conhecesse.... Nunca pensei em ver contentamento nos olhos dele por me ver, mesmo perdido no seu Mundo. Ontem, encontrou a minha mãe e pediu para me mandar um beijinho e agradecer. No meio de Mundos perdidos e escuros, é sempre bom ter uma luz e um calor de alguém. Espero que tenha conseguido... Espero mesmo. 

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

É por isto...


... que eu sou fã dos filmes da Disney e este é o meu filme preferido de sempre. Vai estrear a versão "real" e estou em pulgas para ir ver. (Sim, sou uma criança grande :P) Esta imagem veio-me parar aos olhos sem contar... e é tão isto o Amor. :) 

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Episódio de um Domingo #2


A minha sobrinha afilhada mais nova já andava há meses a implorar para ir comer um crepe ao nosso spot especial da gula. Ontem, no fim de almoço, lá lhe fiz a vontade... A ela e às outras sobrinhas, que estavam "invejosonas". ahaha Chegámos lá e cada uma pediu o seu. A mais nova pediu um crepe gigante ao qual a empregada retorquiu: "Ela consegue aguentar com isto?". Eu respondi que sim, que a piquena era de alimento. Quando estávamos a pagar, vi uns corações de choco enormes e resolvi trazer às "mães" da família. Estávamos a trocar impressões e a Sra., meio incrédula e com cara de espanto, duvida que eu era tia delas. "Ai parecem quase da mesma idade, pensei que fossem primas ou amigas." Vim com o ego do tamanho do Mundo! :P 

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Episódio de um Domingo


Como sempre, hoje fui dar catequese de manhã. Os meus miúdos (6º volume) são um dos volumes mais complicados. Têm tanto de bom coração como de competitivos. Isso leva a que sejam bastante implicativos uns com os outros. A minha paciência moldou-se com o tempo... e a maneira de lhes tocar também. Hoje, numa catequese "banal"... Perguntei-lhes quem eram as pessoas especiais na vida deles e porquê. Muitos responderam família e amigos. Já no fim de todos falarem, o G. falou e disse: "Eu, eu tenho uma... Uma menina que eu gosto e me despedaçou o coração". E pensam vocês que ele estava a brincar... Não estava. Os outros meninos ficaram em silêncio e eu sorri-lhe. Expliquei que por vezes as pessoas especiais também nos magoam, até sem intenção. Que o principal é serem amigos, mesmo sem o Amor. E ele concordou. O G. é um menino hiperactivo, MUITO. Tenho imensa dificuldade em captar a sua atenção. O G. passou a catequese sentado e a responder-me a tudo, a fitar-me com os seus olhos bem doces cor de mel. No fim perguntei como se relacionavam com essas pessoas e quando estavam muito tempo sem falar, o que sentiam. O G. disse-me que quando nós gostamos muito de alguém, usamos um diminuitivo/alcunha para o chamar. Eu fiquei espantada... nunca tal ideia me veio à mente. Mas é bem verdade. Mais tarde, chamei-o e saiu-me um "Guh, anda cá". Ele olhou-me e riu-se dizendo: "Trataste-me por Guh!". Pois... Senti um calorzinho na alma e no coração. Por vezes é só isto... a simplicidade de se sentir e Ver especial num diminuitivo da boca de alguém. Digo muitas vezes, é o Amor que nos salva... E cada vez tenho mais certeza disso. :)

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Despertares


"Desperta-me de noite
O teu desejo
Na vaga dos teus dedos
Com que vergas
O sono em que me deito

É rede a tua língua
Em sua teia
É vicio as palavras
Com que falas

A trégua
A entrega
O disfarce

E lembras os meus ombros
Docemente
Na dobra do lençol que desfazes

Desperta-me de noite
Com o teu corpo
Tiras-me do sono
Onde resvalo

E eu pouco a pouco
Vou repelindo a noite
E tu dentro de mim
Vais descobrindo vales."

Maria Teresa Horta

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Tu sabes...


... que tens qualquer coisa de carismática (tentando ser simpática e optimista) quando:
- Ligas para o Stand e a secretária diz: Miguel, anda ao telefone, é a S.... a menina do Qashqai! O.o
- De seguida ligas para a oficina e sem proferires uma palavra o Sr diz: Olá S., está tudo bem? O.o

Eles devem ter o meu número naquela lista dos chatos e aborrecidos, de certeza! Mas já não vou lá nem ligo há mesessss... como é possível?! ahahahah 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Velhos


Quem me lê há muito tempo sabe da minha paixão por velhinhos. Apesar da minha área profissional ser pautada por números, fórmulas e reacções... No meu coração tudo isto se transforma em Amor quando falo de idosos. Já tirei duas formações ligadas à Psicologia da Velhice, e tiraria muitas mais de se tivesse tempo. Se fosse rica adorava ter um Lar para idosos. Emociono-me com os movimentos já lentos, como o tempo que passa por eles, com as palavras cheias de sabedoria e história, com os abraços de Amor, com as rugas de saudade... Sim, a saudade... Talvez o sentimento que mais mora neles. Saudade do que foi e já não é, saudade dos que lhes pertencem, saudade dos que vão partindo. Saudade. Há um Centro Comunitário que faz um trabalho notável nesta área. Rio-me e emociono-me com o que publicam, e com todo o Amor que vejo retratado em cada sorriso, lágrima e olhar. Hoje partiu o Sr. Alfredo. O Sr. Alfredo era um dos idosos mais alegres e bonitos deste centro. E por mais estúpido que seja, fico sinceramente triste. Revejo nele toda uma classe que tanto é esquecida e maltratada pela sociedade, muitas vezes pela família. Tantas vezes depositados entre quatro paredes e esquecidos pelo tempo. Não merecemos todos ter Vida até ao fim? Caminhamos todos para o mesmo... e era tão bom que fossemos todos Sr. Alfredo. Felizes, corajosos e cheios de Vida... até ao fim. 


terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Amor

Hoje é aquele dia em que uma pessoa tem de dar umas injecções de insulina antes de abrir as redes sociais. :P Independentemente de ser contra o consumismo, o Amor merece ser celebrado... todos os dias. Ontem deparei-me com esta foto e lembrei-me do Amor celebrado no Passado. Era tão mais palpável, mais real, mais ingénuo, mais terno. As longas cartas de Amor que se escreviam. As horas passadas a trocar palavras sentidas à janela ou à porta, com restrições de entrada em casa... mas jamais no coração de quem as ouvia. Os toques eram totalmente valorizados, de tão restritos que eram. Os beijos trocados às escondidas. As danças envolvidas em segredo e marotice. Já falei nas cartas de Amor? :P Que o Amor seja sempre celebrado no seu expoente máximo, sem banalizações e com valorização do que Ele realmente significa. :) Feliz dia a todos! Aproveitem(-se)!

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Prioridades


Hoje deparei-me com esta frase. À primeira vista parece cliché mas tem muita (toda) a verdade embutida nela. Despir a (minha) alma não é para todos, eu diria que é mesmo para muito poucos. É difícil encontrar quem tenha a capacidade, inteligência e paciência de a querer desfolhar... folha por folha. Também é algo assustador. Despirmo-nos em frente aos outros engloba exposição, dos defeitos e das virtudes, dos medos. É preciso ter confiança e segurança em quem nos despe, ou um click no momento certo. Mas... se nos forem despindo sem darmos por nada, passa de assustador a perfeito. Na prática, é essencial que quem nos despe, saiba preservar e valorizar o que encontra, sem julgamentos... pedaços raros de história e de emoções que merecem ser guardados e cuidados. Cuidar... Esta é a palavra. Despir a alma (e não só), é cuidar do Outro. Valorizar o que É e o que tem. Implica reciprocidade, cumplicidade e respeito. Por isso é que é tão difícil encontrar. Todos são capazes de despir corpos, agora despir almas... são raros, muito raros. 


terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Bom fim de semana!


 Com muito Amor, "perfeito" ou não. :)

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Luzes


Dentro de épocas sombrias e turbulentas, aparece uma luz que aquece. Longínqua é certo, mas presente. Sem saber como nem porquê, a luz transmite esperança e calor. Esperança pela semelhança, calor pela intensidade. O sonho comanda a vida, já dizia o poeta. Pode nunca deixar de ser uma luz... mas eu já agradeço a sua presença. Pelos sorrisos, pela imaginação, pelo calor. Obrigada :)

sábado, 28 de janeiro de 2017

Porque no meio de...



... tanto trabalho e correrias, é bom relembrar que se está Viva. Esta música é muito "sensualona"! ihiih

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Porque está frio...


"E ela diz: amor. E eu digo: amor e ficamos muito tempo calados a ouvir as gotas de chuva a caírem no pátio, sobre as copas negras das árvores, naquele quarto de que ninguém sabe o lugar, o tempo, as estrelas invisíveis. Achas que haverá duas gotas a caírem exactamente no mesmo momento? Depende da precisão, da probabilidade, depende da velocidade do vento. Dói-me o lado esquerdo do peito. Uma dor nem interior, nem à superfície. Uma dor tão real como a imaginação, uma dor sentimental. A dor da morte no meu peito diante do esplendor da tua cara."

Pedro Paixão

... e precisamos de aquecer ;)